Terça-feira, 9 de Janeiro de 2007

"O Bosque"

Bosque

      Entre os vales das montanhas que se estendiam a norte da aldeia, havia um lago silencioso que, de vez em quando o jardineiro costumava visitar. Era um lugar especialmente belo, rodeado de bosques e penhascos, onde as águas tranquilas ofereciam uma visão esmagadora de paz e beleza.

      O jardineiro amava aquele lugar, e muitas vezes tinha procurado a sua cálida protecção, quando a dúvida e a confusão lhe oprimiam os pensamentos. Mas no último Verão um espantoso incêndio tinha arrasado os bosques que outrora tinham presenciado os arrebatamentos do seu espírito. O jardineiro, entristecido, tinha percorrido as negras encostas da montanha quando os troncos das árvores ainda fumegavam, e prometera a si mesmo voltar a dar vida àquele lago desolado, na medida em que as forças de um homem só o pudessem fazer.

      Pouco antes do Inverno, já tinha percorrido o lugar com um saco cheio de sementes de azinheira e de carvalho, enterrando as bolotas o melhor possível nos sítios mais húmidos que encontrara. E continuou esporadicamente o trabalho ao longo daquele Inverno, esperando que as nuvens da Primavera dessem vigor às sementes, para que começassem a fazer-se à vida.

      Pouco antes do Verão seguinte voltou a visitar o lago, procurando entre as novas ervas e os rebentos de pinheiro, os sinais da nova vida que ele tinha semeado. A sua alegria não teve limites quando viu que, entre os rebentos de alecrim, apareciam as folhas tenras de um carvalho de que se lembrava bem ter semeado ali. Continuou a caminhar e deparou-se cada vez mais com rebentos de carvalho e azinheira, e o jardineiro  pensou que tinha valido a pena o esforço daquele Inverno.

      Foi então que recordou  a imagem do primeiro punhado de sementes que tirou do saco, e dos sonhos que lavraram a sua mente esperançada com aquele punhado de vida nas suas mãos.

      Viu um bosque profundo e frondoso, com umas árvores de troncos enormes a cobrir com uma sombra espessa, a vida que pulsava no seu interior. Plantas aromáticas, insectos, aves, animais, vivendo ao abrigo do pai bosque, húmido e nutridor, sábio e responsável pela vida que albergara.

      Agora via surgir as primeiras folhas daquele enorme bosque, um bosque que jamais veria na plenitude do seu esplendor, uma vez que a vida lhe iria retirar os séculos que oferecia generosamente às árvores.

      Mas também a vida, pensou o jardineiro, lhe tinha dado a possibilidade de entrar nos férteis campos da eternidade atravessando o muro do tempo... entre as doces brumas da imaginação.

In "O Jardineiro- Contos para curar a alma", de Grian

publicado por Esperança às 14:27
link do post | favorito
De Princesa a 11 de Janeiro de 2007 às 01:00
Olá lindinha...
Vim deixar-te um grande beijo e agradecer akelas palavras tao fofas no meu blog :)
*Bjs*
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 


.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. THE END

. ...

. ...

. Mais uma discusão...

. Rezem por mim esta tarde

. Na lama...

. A vida é uma selva e na s...

. Sem Net

. "O Bosque"

. anjo...

.arquivos

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

.outros blogs

blogs SAPO

.subscrever feeds